Translate

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Escuridão

Sigo a escuridão,
Vou para onde não quero,
Ninguém me estende a mão
Onde vou chegar, não espero.


Não é boa a caminhada,
Nem sei onde piso,
Ainda é madrugada,
Ou de acordar, eu preciso.

Só que não consigo parar,
Mas nem o caminho consigo ver,
Será uma maneira de sonhar,
Ou vontade de um sonho ter.

Porque tem que ser assim,
Neste caminho sinuoso,
Ando a procura de mim,
Não quero acordar desgostoso.

O autor;
J. Boni.

Nos teus Olhos

Nos teus olhos posso ver,
Decerto vindo de tua alma
Imagens que são palavras…
Palavras que meus lábios
Não se atrevem a descrever.
Talvez tua alma pura,
Aos meus olhos tão profanos
Deixe uma mensagem segura…
Pela minha vida durante anos.
Em mim custa pensar,
Como difícil é viver…
O meu amor é sonhar,
Como minha podes ser.

O autor;
J.Boni.

domingo, 29 de junho de 2014

Bem Acompanhado


Quando pensamos...

Que estamos sozinhos,
Será que estamos,
Ou com amigos sonhamos
Em breve espaço de tempo
Chegam carinhos,
De onde não esperamos
Que atropelam... 
Nosso pensamento negativo
Com que estamos.



Estar sozinho...
Num certo espaço
Não significa solidão,
Não deixes é entrar
Esse cansaço,
Que se te dirige
Ao coração.

Será que a solidão
É mero pensamento,
Ou a voz da razão,
Que nos puxa
Para o tormento.

Já tenho estado sozinho,
Mas sempre
Bem acompanhado,
Porque da luz
Sai o brilho,
Para quem é iluminado.

O autor;
J. Boni.

Caminho para a Luz






Hoje estou olhando o céu,
Não sei o que procurar!
Porque é que Deus nos deu,
Esta vontade de sonhar.

Ilumina  a luz do dia,
Este sol meio escondido,
Mas vem sempre outro dia,
Disso estou convencido.

Talvez seja magia,
Ou apenas decoração,
Mas se houver alegria,
Dá luz ao meu coração.

E vivemos cada momento,
O passado vamos recordando,
Cruzamos a vida com o tempo,
E a sonhar vamos andando.

Deito por aí meu olhar,
A vadiar como um vagabundo,
Se alguém o encontrar,
Não o prenda nem um segundo.

Não sei porquê mas sinto,
Que ao ouvir meu coração,
Minha cabeça eu desminto,
Espero a voz da razão.

O autor;
J. Boni.

A Minha Primavera

Abre-te, Primavera,
Quero de ti, um sorriso,
Tenho um poema à tua espera,
Mas de ti eu preciso.

Dantes, nascias quando te pedia,
Quando eu te anunciava,
Entre coragem ou cobardia,
Trazias a alegria, que se confirmava.

Vamos para o fim de Março,
Tudo no mundo, se renova,
Cada verso que eu faço,
Trás uma melodia nova.

És como uma flor,
Brotas em mim esta prosa,
Por ti como um amor,
Como o desabrochar, de uma rosa.

No meu canto cantava,
Um poema lírico de alegria,
A tua chegada confirmava,
Tudo o que eu pressentia.

Volta o arado à terra,
Arado que esta terra lavrando,
Para que nas suas entranhas,
O nosso sonho que enterra,
As sementes das esperanças.

Com o nosso Abril, em acção,
Fingi que não percebi,
Mas para meu coração,
A Primavera até sorri.

Crescem seus frutos, em seus rebentos,
Vou embriagar-me em seu perfume,
Enquanto espero os momentos,
Peço que esta magia perdure.

Chegamos a Maio, mês do coração,
A Primavera tem mais amor,
Há a voz da razão,
Há o dia do trabalhador.

Porque a emoção, não deixa esquecer,
É em Maio também,
Que se homenageia a maior mulher,
A nossa querida e santa Mãe.

(Mães que me estão a ouvir,
Deus vos dê um santo dia,
É aquilo que estou a pedir,
A todas vos cubra de alegria.)

Maio de nossa Senhora,
Primavera cheia de luz,
Deu-nos Amor que perdura,
Amor que a todos seduz.

Por me ajudares, nossa Senhora,
Nossa Senhora de Fátima,
Por esta pequena e humilde rima,
Continua o amor, a dedicação,
Te agradeço com carinho,
Do fundo do meu coração.

O Primavera, que loucura,
De muita alegria e cor,
Os campos, são uma ternura,
Os passarinhos vivem o amor.

As flores enchem os campos,
Onde às vezes também chove,
Tudo faz parte dos encantos,
Que esta Primavera promove.

Com todo este colorido,
Junho acaba por chegar,
O meu mês preferido,
Porquê Primavera,
Vais ter que abalar.

Tudo o que é novo,
É uma graça, é um esplendor,
Que até a magia de um ovo,
Se transforma em rebento de amor.

Em Junho, não podemos esquecer,
A maior magia da esperança,
Que é de nós ver nascer,
De nossa semente, uma criança.

Primavera, uma dádiva sublime,
Que a natureza nos oferece,
Porque em nos o amor exprime,
Mas só a quem merece.

O autor;
J. Boni.

sábado, 28 de junho de 2014

Melancolia

Olho só para o amor,
Que não me queres dar,
Mas porquê, tanta dor
Tão grande é meu penar.

Não me faças tanto sofrer,
Fico todo desatinado,
Passo horas de morrer,
Por não me sentir amado.

Porque tem que ser assim,
Ou assim tem que ser,
Se melhor fores para mim,
Também serás outra mulher.

Nunca me abandones,
Não me deixes cair,
Apesar do que somos,
Ainda conseguimos sorrir.

O autor;
J. Boni.

Abre bem teus Olhos

Reparo em teus olhos
Que não consegue esconder,
O que a tua alma tem para contar,
É uma mensagem que só eu posso ver,
É a mensagem do verbo amar.


Abre bem teus olhos...
Quero ver no fundo então,
Pela transparência de teus olhos,
Consigo ver teu coração.
Abre bem teus olhos amor,
Não me faças tanto esperar,
Quero-te contar com rigor,
A minha maneira de te amar.

O autor;
J. Boni.

Sempre em Meu Coração



Ouço o pensamento da razão,
Que me faz estremecer...
Durante toda a noite,
Até ao amanhecer.

Ouço o meu pensamento,
Mesmo quando estou a dormir
Tal é o meu momento,
Tal é o meu sentir.

Tantas vezes triste,
Muitas mais com alegria
No pensamento tudo existe
Tanto noite, como de dia.

Vivo sempre com alegria
Sempre com grande paixão,
Porque vive comigo a poesia
Sempre em meu coração.

O autor;
J. Boni.


sexta-feira, 27 de junho de 2014

Regressar para Ti





Tua voz eu não ouço…
Nem sequer te conheço,
Mas aqui continuo,
Impávido e sereno
Talvez seja o que mereço.
Pasma minha insensatez
Às vezes só por um segundo,
Mas para mim…
Tu és o meu mundo.
Longe de mim pensar,
Onde estará o fim…
Ou apenas a vontade
De sempre regressar,
Regressar para ti.

O autor;
J. Boni.

Pão em Casa



Numa noite tomo sentido,
Sobre um céu quase estrelado
Ao ouvir um pequeno gemido,
Neste chão cultivado.

De relva, há muito estava
Que terreno de encantar...
Mas veio alguém que o lavrava,
Com vontade de o semear.

De dia até à noitinha,
Muito aqui se trabalhava
Em toda a térrinha,
Muito o homem suava.

Cultivar o terreno...
Ter a semente, sempre à mão
É viver sempre sereno,
É ter sempre...em casa pão.

Tratamos da Natureza,
Sempre em nós a pensar
Cuidados dos nossos filhos,
Com destreza...
Para a comida não faltar!


O autor;
J. Boni.

Onde estará a Minha Amada


Sim, que lindo dia…
Grande é o seu esplendor
Que luz… que alegria…
Espelho do meu amor.

Olho aquela roseira,
Naquele jardim plantada…
Qual será a rosa eleita,
Para oferecer à minha amada.

Onde estará essa pétala de mulher,
Que procuro com minha alma
Não a vislumbro sequer,
Sua ausência não me acalma.

A distância só desperta,
Esta minha ilusão
E assim só aumenta,
A minha grande paixão.

O autor;
J. Boni.

Essas Estrelas

Chega a noite e posso ver,
Essas estrelas, que só minhas
Onde pode o sonho aparecer,
E deixam minhas ideias vazias.

Resta-me apenas alguma esperança,
Que nunca vou querer perder
Guardo-as desde criança...
Porque só eu as posso ter.




Todos podemos sonhar...
Ter sonhos sem partilha,
Mas quem sabe partilhar
Tem em alma a sua estima.

Durante a noite sem dormir,
Aumenta sempre a minha ilusão
Ter alguém para sorrir...
Dá vida ao meu coração.

O autor;
J. Boni.

Amor ao Vento


Como uma flor ao vento,
Como um raio de sol,
Um pequeno lamento,
Um piscar de um farol.

Sinto o entardecer,
O nosso sol a abalar,
A noite a aparecer,
O dia a acabar.

Solto o meu pensamento,
Dentro da minha cabeça,
Como rajada de vento,
Mas talvez algo aconteça.

Pela noite a entrar,
Também vou pensar em ti,
Se adormeço vou sonhar,
Com o que não tenho aqui.

Mesmo perto da janela,
Ouço o som de uma flor,
Não me esqueço mais dela,
Preciso muito, de ti amor.

O autor;
J. Boni.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Tão doce Olhar





É tão doce o teu olhar,
Que irradia magia...
Tão belo é o movimentar,
De tuas coxas hoje.

É tão doce o teu olhar
Bateu forte meu coração,
Em mim não estás a pensar
Que tamanha desilusão.

Doçura de cabelos...
Eu nunca vou esquecer
Deixa-os soltos, aos ventos
Nunca se irão perder.

Tua pele tão macia,
Tão doce tentação...
Queria-te ter, num só dia
Irias sentir meu coração.

Teu corpo maravilha,
Eu um dia quero passear
Vem ter comigo...um dia
Meu Jaguar vais estrear.

Quando te chamei, abalaste
De mim não quiseste saber,
Talvez me achasses um traste
Fiquei com vontade de morrer.

O autor;
J. Boni.

Procuro



Saí mas não vi,
Algo que queria ver
Algo que nunca vi,
Alguma coisa diferente,
Do que já vi,
O que será não sei!
Algo me diz que só no pensar,
Eu poderei esperar,
E aparecerá algo que nunca vi,
Ou possa esperar de ver
Neste tempo parado do nada,
Onde tudo se esconde,
Onde se foge de tudo,
Sem se perguntar porquê.
Para o tempo olho eu,
Porque será?
Às vezes não consigo perceber,
Faço por sentir alguma sensação,
Ou por algo merecer,
Para animar meu coração.

O autor,
J. Boni.



Mulher


Linda flor de roseira,
Aroma que no ar passa
Flor que enche a taça,
De cristal que partiste...
Simples som ou fantasia triste.

Aroma que trespassou
Por esta fenda aberta,
Como um sonho que passou
Ou apenas simples descoberta.

Sem espinhos, esta flor julgar
Alta flor, alta e formosa
Não se lhe pode chegar
Linda rosa, linda rosa.

Não será flor verdadeira?
Ao longe tudo é luar
Alta rosa, alta roseira
Ninguém lhe pode chegar.

E o sonho continua com a mão,
E alma cheia de alegria
Que flor linda com coração...
Imaginar sem ti, quem poderia.

Em cada teu olhar,
Ondulam teus cabelos
Mas com magia...
Conseguem prende-los.
  
Porque a voz do fastio
Só ganha força, na prisão,
E a curva de um braço esguio
Que se alonga ao coração.

Mata a sede a simples água,
Mata a fome o nosso pão
Porque no fundo de cada mágoa,
Fica a certeza firme, da ilusão.

São teus lábios como vento,
Parte do destino humano...
Dura foice do pensamento,
Que ceifá-los é um engano.

Que fresca mesa posta,
Numa noite de medonho vento,
Cheiro a pétalas, quem não gosta,
É como pão sem fermento.

Contacto com a escuridão,
Como a entrada num fosso
Mas dou-te meu coração,
A ti... mulher de carne e osso.

O autor;
J. Boni.

A cor do meu Amor


Vou subir a este monte,
Onde vi uma linda flor,
Espreitei-a do horizonte,
A pensar no meu amor.

Ia pela encosta acima,
E a pensar no meu amor,
Ia mudando o clima,
Ia-me chegando uma dor.

Neste monte a subir,
Alivia-me a dor,
Quando estou a sorrir,
E a pensar no meu amor.




Ainda não vi o cume,
Mas penso naquela flor,
Parece que sinto o perfume,
O perfume do meu amor.

Quase estou a chegar,
E penso no meu amor,
Já só penso abraçar,
Aquela linda flor.

Já a vejo, já sei a cor
É tão linda, que encanto
É a cor do meu amor,
É um verdadeiro espanto.



O autor:
J. Boni.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Solidão

É um momento solitário
Este que posso provar,
Sem prato, sem copo
Mas bem pelo contrário,
Muito, muito oco.

Sem nada para mostrar,
Este momento sem sentido
Sem qualquer oportunidade,
Sem visão alguma
Fixa apenas no vazio,
Que não nos diz nada
Apesar de muito questionar,
Gesticular ou simplesmente olhar.

Neste dia de céu,
Tão escuro tão carregado
De vento de chuva,
De um sol tão tapado
Que com a falta do seu calor
Não nos orgulha,
Fico assim só sem amor
E na solidão nos mergulha.

Tentando ver uma luz,
Que teima em não aparecer
É uma tristeza que mete dó,
Esta vida não me seduz
É triste assim viver.

O autor;
J. Boni.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Talvez seja um Anjo

Passou no céu,
Ninguém o viu,
Porque fui só eu,
Que ao milagre assistiu.

Será só uma vez,
Uma só vez na vida,
A história alguém a fez,
Ou a tem por merecida.

Para o céu passamos,
Muito tempo a olhar,
Às vezes só para pensarmos,
Outras também para rezar.

Agora fiquei um pouco confuso,
Será que foi mesmo um Anjo,
O ângulo era um pouco ofusco,
Mas na dúvida, não me desmancho.

E se não o tornar a ver,
Vou ficando a magicar,
Se não quiser aparecer,
Eu também não o vou chamar.

Mas que tamanha confusão,
Passa pela minha cabeça,
Vou consultar meu coração,
Ou esperar que algo aconteça.

O autor;
J. Boni.

Sonho Sozinho



Sonho sozinho
Sem nada dizer...
Sinto em mim uma força,
Que ninguém pode ter.
Não é só minha
Mas talvez,
Alguém com altivez.




Sonho sozinho,
Com esse momento...
Onde perdido
Possa encontrar,
O amor perfeito...
Que me possa amar.




O autor;
J. Boni.

Minha Cabeça



O tempo passa,
Apenas a ilusão fica...
Como uma lembrança
Que parece uma fábula,
Onde minha cabeça
Guarda a metáfora.
Que inventa com subtileza
Toda uma expressão,
Que intensamente
Vai apertando,
No meu coração.

O autor;
J. Boni.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

És como uma Flor

Olhei para uma flor,
Em mil cores pensei,
Cintilante ao calor,
E eu como fiquei.

Algum tempo a pensar,
Fiquei eu logo ali,
Tinha muito para admirar,
Saudades de ti senti.

Outras flores, mais cores
Mas que grande confusão,
Diante de tantas flores,
É que sofre meu coração.

Vou olhando com meus olhos,
Que mensagem pode transmitir,
Tantos amores aos molhos,
Eu sem vontade de sorrir.

Quero-te aqui ao pé de mim,
Tão longe não podes estar,
A distância não é boa para mim,
Esta solidão pode matar.

Não me esqueças e vem,
Nunca te esqueças do meu amor,
Que eu não te esqueço também,
Para mim és uma flor.

O autor;
J. Boni.

domingo, 22 de junho de 2014

A Poesia é Amor




A poesia é Amor
Faz o Coração bater
Todo ele é esplendor
É a razão do meu viver.

Gota de água na boca,
Esperança de felicidade
Uma razão quase louca,
Pela sua intensidade.

Só vivemos com amor
Será sempre a condição,
Voa águia, voa condor
Voa alto meu coração.

O autor;
J. Boni.

Para mim tu és luz, Mulher



Em ti, tudo começa,
És como um raio de luz,
Em nós, como que tropeça,
Esse amor que nos seduz.

Às vezes na escuridão,
É quando te vejo melhor,
Por ti vibra meu coração,
E cintila o meu amor.

Vejo-te bem a qualquer hora,
Tanto de noite, como de dia,
Tua luz chega sem demora,
Uma irradiação de magia.

Teu espírito sempre aberto,
É para todos contestável,
Mas para mim dá-me um aperto,
Neste coração indomável.

Essa luz, que te contorna,
Esse espírito tão selvagem,
É só visto por quem te adora,
Por te amar, com coragem.

Luz que me faz ofuscar,
Todo o meu sentimento,
Ou em ti conquistar,
Um certo ocultamento.

Minhas palavras são tão poucas,
Para o que poderia dizer,
Mas formam frases quase loucas,
Para ti, linda mulher.

Pela luz que irradias,
És o sol nesta terra,
Transformas em alegrias,
Até os horrores da guerra.

És o ser mais altivo,
Sem ti, não seríamos ninguém,
És o amor mais afectivo,
O maior que o mundo tem.

Por ti se abate a esperança,
Sem ti nada podia haver,
És a luz da maior graça,
És apenas uma MULHER!

O autor;
J. Boni.

sábado, 21 de junho de 2014

Tantas Cores




Eu andei tantos anos
Muitas cores a juntar,
Queria muito, sem enganos
Uma vida linda pintar.

Eu quis pintar uma vida,
Numa tela que não existia,
Queria vê-la colorida,
Não tive sorte naquele dia.

Alguns dias mais tarde,
Voltei eu a tentar,
Numa tela que não existia,
Mas eu queria pintar.

Com cores às dezenas,
Todas elas cintilantes,
Cores fortes ou amenas,
Tristes ou radiantes.

Minhas mãos já não chegam,
Para tantas cores albergar,
Por ordem minha esperam,
Para que possam pintar.

São cores de alegria,
Que nos enche de emoção,
Numa grande sinfonia,
Que nos inspira o coração.

O autor;
J. Boni.